Namorar à distância

PE01_170511_00739-762x509

Sair pra jantar, ir à um show romântico, fazer surpresa ou um filme a dois são planos indispensáveis pra quem pretende fazer bonito quando está namorando. No entanto, é fácil surpreender quando se está ao lado, presente e, principalmente, quando já se convive o bastante para conhecer os gostos de alguém. Difícil é encantar de longe, sem investir suas horas cativando a pessoa que você gosta, porque as circunstâncias – que eu prefiro chamar de distância – impedem o bom encontro.

Nada fácil essa coisa de distância para quem namora. Mas afirmo com convicção que, se não fosse por ela, não se viveria a graça da expectativa. É bom sentir o outro de longe, porque quando ele chega, traz a paz que a inquietação tanto precisa. E, junto dela, traz aquela camisa nova que você não o viu comprar, traz a barba malfeita que ele deixou crescer sem você estar por perto, ou, em outros casos, o cabelo com dois centímetros a mais, que, quase sempre, parecem dez. Traz uma história pra contar, uma brincadeira diferente pra ensinar ou aquela gíria nova inclusa no vocabulário que você nem imagina de onde surgiu. Em cada retorno, algo novo. E em cada novidade, um encanto diferente.

Há quem prefere não se apegar e levar essa vida de “certas renúncias”. Soa ameaçador, mas namorar requer alguns limites, e, a quem discordar, eu sugiro que experimente. Entretanto, para cada falta, um gol. As vantagens são preponderantes neste assunto. Sabe aquele jogador bom que o técnico deixa no banco de reservas, mas sabe que na hora certa ele vai entrar e definir a partida? É semelhante ao dilema do namoro. Às vezes, fica difícil suportar o outro, se adaptar às diferenças, abandonar alguns hábitos, mas há sempre uma certeza de que, em questão de minutos, a sensação de nunca estar sozinho e ser par de alguém que você ama, invade o coração, como uma torcida que comemora um gol. Eufórico! Duvida? Espera para ver.

Todo namoro merece ser festejado. Não porque namorar é algo importante. Não vejo assim. Se realmente fosse, Deus teria ordenado e, acredite, Ele não fez isso. Mas a companhia de alguém merece ser celebrada. Principalmente a companhia de quem consegue se fazer presente, mesmo estando tão longe, e que queria, a todo custo, estar com você. Essa tem de ser a celebração. A dádiva de ter alguém que espera por você, está com você e encanta você pelo simples fato de querer ficar ao seu lado, podendo estar em qualquer outro lugar.

Ah, e pra quem gosta de falar que quem namora só tem um dia para celebrar – doze de junho –, mas os outros trezentos e sessenta e quatro dias do ano são dos solteiros, tenho algo a dizer: ahã, vai nessa… Só quem namora sabe que todo dia o coração faz festa.

MF01_161017_00959-762x509-762x509

Nataly Maier
Estudante de Jornalismo e apaixonada por palavras. Encontra na escrita sua melhor forma de comunicação e uma oportunidade para transformar o mundo em sua volta.