O amor não precisa de listas

VJ01_170729_01241-762x509

“Dez dicas para um casamento feliz”. “Aprenda sete passos para ter um relacionamento saudável”. “Os segredos para uma vida a dois impecável”. Relacionamento não vem com manual e não tem fórmula, todos nós sabemos. Nada contra essas listas que se empenham em ajudar as pessoas com dicas de relacionamentos, mas a verdade é que cada um carrega dentro de si uma particularidade. Ou seja, como uma única lista com os mesmos conselhos de sempre ajudaria várias pessoas diferentes?

Tem gente que é estourada. Tem gente que é mansa. Em algum lugar do mundo, esses dois tipos de pessoas vivem juntas. Assim como tem gente que é agitada, enquanto outras são bem mais calmas. Tem gente que é impaciente e tem gente do estopim longo. Há também gente romântica e gente que não faz a menor questão de evidenciar o amor em palavras e gestos carinhosos. Em outros casos, tem gente que ama tecnologia, mas tem gente que detesta. E, no mundo, tem muitas dessas gentes envolvidas emocionalmente, seja com outra que corresponda à sua personalidade ou não. Com certeza, uma lista não seria capaz de atender a toda essa tempestade de diferenças.

O amor não é “2+2”. Nem sempre uma dica que pode parecer inteligente cairá feito luva na vida de alguém. Por exemplo, “ter o seu próprio espaço” pode ser imensamente desagradável para um dos envolvidos. Para o outro, talvez não. Então como enfiar goela abaixo o que alguém tem dificuldade em entender e vivenciar? Acontece que no amor as atitudes precisam ser trabalhadas, como um problema, porém não muito lógico. É preciso se compreender e entender o outro. É como tirar os próprios óculos e usar os óculos do outro a fim de descobrir como ele enxerga o mundo e as situações rotineiras.

Se fosse tão simples, aí, sim, tudo poderia ser resolvido com listas. Mas as pessoas são muito mais profundas e – por que não? – complexas. Duas pessoas juntas, então, nem se fala… O amor é que não precisa de complicações. Resta a cada um, leitor da própria vida, ter sensibilidade para ler a vida do outro e ser, dentro de si, respostas para tantas perguntas que nós mesmos criamos.

 

Nataly Maier
Estudante de Jornalismo e apaixonada por palavras. Encontra na escrita sua melhor forma de comunicação e uma oportunidade para transformar o mundo em sua volta.